Vírus Zika

Revisão das 00h21min de 29 de janeiro de 2016 por Paulo Santos (Discussão | contribs)

(dif) ← Revisão anterior | Revisão atual (dif) | Revisão seguinte → (dif)

Autor: Paulo Santos

Última atualização: 2016/01/28

Palavras-chave: Vírus Zika, Prevenção, Tratamento, Mosquito




Resumo

O vírus Zika transmite-se pela picada do mosquito e causa uma doença que é ligeira na maior parte dos casos.
O diagnóstico faz-se por análises ao sangue.
Não há tratamento específico disponível e não há vacina eficaz.
A prevenção é a melhor estratégia e passa por evitar as picadas dos mosquitos, utilizando repelentes de insectos, redes mosquiteiras ou evitando as zonas pantanosas e de águas paradas onde o mosquito existe em maior quantidade.




Vírus Zika

Zika é um vírus que se transmite através da picada do mosquito da espécie Aedes. A transmissão por via materno-fetal é possível, assim como por via sexual.

Sintomas

Na maior parte das pessoas infectadas os sintomas são ligeiros com febre, vermelhidão na pele, dores articulares e conjuntivite (olho vermelho). Os sintomas começam 2 a 7 dias após a picada do mosquito, afetando 1 em cada 5 pessoas que tiveram contacto com o vírus.
Muitas pessoas podem nem perceber que estão infectadas, pois os sintomas são muito inespecíficos e parecem-se com os das viroses respiratórias comuns.
Raramente a infeção pode ser mais complicada com sintomas mais severos e eventualmente exigindo internamento do doente.

Diagnóstico

Na possibilidade de ter havido contágio, ou seja, em pessoas que viajaram recentemente para zonas infectadas, a presença dos sintomas descritos pode levar ao pedido de uma análise específica para detetar o vírus no sangue.

Quais as zonas afetadas?

Diversos surtos de Zika foram descritos até 2015 em países de África, Sudoeste asiático e ilhas do Pacífico. Em 2015, foi dado um alerta de infeção no Brasil e espalhou-se rapidamente a praticamente toda a América Central e do Sul (exceto Argentina, Chile, Perú e Uruguai).
Também está descrita a transmissão do vírus em Cabo Verde e na Samoa.

Quem está em risco de contrair a infeção?

Todos os que viajarem para zonas afetadas podem contrair a infeção pelo vírus Zika, incluindo grávidas e crianças.

Tratamento

A maior parte dos doentes infectados necessitará apenas de tratamentos de suporte: hidratação, antipiréticos e analgésicos do tipo do paracetamol e repouso.
Casos mais graves ou portadores de outras situações de saúde poderão necessitar de outras abordagens. O médico assistente terá respostas mais específicas para cada caso concreto.
Não há tratamento antiviral específico para este vírus.

Prevenção

Não há vacina para proteger contra o vírus Zika.
A melhor forma de prevenção é evitar o contacto com os mosquitos, protegendo-se das picadas:

  • Se for possível, evite zonas onde o mosquito existe em maior quantidade como albufeiras, pântanos ou zonas de águas paradas.
  • Usar camisolas de manga comprida e calças em vez de mangas curtas e shorts
  • Permanecer em espaços com ar condicionado ou com janelas e portas protegidas por redes mosquiteiras
  • Usar repelentes de insectos:
    • Siga as instruções dos rótulos das embalagens
    • Aplique o repelente as vezes que foram indicadas na embalagem
    • Aplique os repelentes antes de aplicar os protetores solares
  • Se tem uma criança a cargo:
    • Não usar repelentes até aos 2 meses de idade
    • não aplicar os repelentes nos olhos, boca, feridas ou pele irritada, bem como nas mãos (pelo risco de levar aos olhos ou mucosas)
    • espalhe o repelente na sua mão e aplique também na face da criança
    • Usar roupa que cubra os braços e as pernas
    • Cubra o berço, a cadeirinha e a cama com redes mosquiteiras
  • Trate a roupa e equipamentos com produtos á base de permetrina
  • Durma com redes mosquiteiras na cama


Vírus Zika e a gravidez

Não há evidência que as grávidas sejam mais suscetíveis à infeção ou que apresentem doenças mais graves que as não grávidas.
Foram descritos casos de microcefalia em crianças nascidas de grávidas que estiveram infetadas pelo vírus Zika. A microcefalia é uma doença que pode ser grave em que o cérebro da criança apresenta dimensões inferiores ao normal. Também foram descritas outras afeções neurológicas nestas crianças.
Recomenda-se que as mulheres grávidas considerem adiar ou cancelar a viagem para zonas infectadas.

Outras complicações

A infeção por vírus Zika foi associada à ocorrência de síndrome de Guillan-Barré em adultos, uma doença neurológica rara que cursa com paralisia com início nos membros mas que pode estender-se ao corpo inteiro.

Conclusão

A infeção pelo vírus Zika é uma virose pouco grave na maior parte dos casos. As grávidas são um grupo especial pois há o risco de provocar malformações graves na criança.
A prevenção passa por evitar as picadas dos mosquitos.

Referência recomendadas

CDC – Vírus Zika

Direção Geral da Saúde - Doença por vírus Zika

Portal da Saúde – Brasil

European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC)

[categoria:Doenças infeciosas] [categoria:vírus]

Banner.jpg