Diferenças entre edições de "Rastreio do cancro do cólon e reto"

 
(Há 10 edições intermédias do mesmo utilizador que não estão a ser apresentadas)
Linha 1: Linha 1:
 
{{Artigos
 
{{Artigos
 
|Autor=Rute Carvalho
 
|Autor=Rute Carvalho
|Última atualização=2016/02/18
+
|Última atualização=2017/10/20
 
|Palavras-chave=Cancro do cólon e reto, rastreio oportunístico, pesquisa de sangue oculto nas fezes, colonoscopia
 
|Palavras-chave=Cancro do cólon e reto, rastreio oportunístico, pesquisa de sangue oculto nas fezes, colonoscopia
 +
|Sigla da doença=D75
 
}}
 
}}
<br>
+
<br><br>
<br>
+
{|border=1
 +
! style="background:#F8F8FF;"|
 
===Resumo===
 
===Resumo===
<onlyinclude>
 
 
----
 
----
 
Atualmente, em Portugal, recomenda-se o rastreio oportunístico do cancro colon e reto a utentes assintomáticos, com idades compreendidas entre os 50 e os 74 anos, através da pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF). <br>
 
Atualmente, em Portugal, recomenda-se o rastreio oportunístico do cancro colon e reto a utentes assintomáticos, com idades compreendidas entre os 50 e os 74 anos, através da pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF). <br>
 
Se for detetada alguma alteração, independentemente da idade e de ter ou não realizado um exame recentemente, o médico assistente saberá como proceder para um correto diagnóstico da situação.<br>
 
Se for detetada alguma alteração, independentemente da idade e de ter ou não realizado um exame recentemente, o médico assistente saberá como proceder para um correto diagnóstico da situação.<br>
</onlyinclude>
+
|}
----
+
 
<br><br>
 
<br><br>
 +
----
 
=== O que é o Cancro do cólon e reto? ===
 
=== O que é o Cancro do cólon e reto? ===
 
----
 
----
Linha 22: Linha 23:
 
====Rastreio====
 
====Rastreio====
 
----
 
----
O Plano Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas (PNPCDO) preconiza o rastreio do Cancro do Cólon e Reto nos indivíduos assintomáticos, ou seja, sem qualquer sintoma gastrointestinal, com idades entre os 50 e os 74 anos. O exame recomendado é a pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF). Embora a colonoscopia seja o exame padrão para o diagnóstico, a pesquisa de sangue oculto nas fezes, pelo seu caráter não invasivo e de baixo custo, apesar da menor sensibilidade e especificidade, é um bom método para rastreio de populações consideradas de baixo risco. <br>
+
O Plano Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas (PNPCDO) preconiza o rastreio do Cancro do Cólon e Reto nos indivíduos assintomáticos, ou seja, sem qualquer sintoma gastrointestinal, com idades entre os 50 e os 74 anos. O exame recomendado é a [[Pesquisa de sangue oculto nas fezes|'''pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF)''']], realizada de 2 em 2 anos. Embora a [[Colonoscopia|colonoscopia]] seja o exame padrão para o diagnóstico, a [[Pesquisa de sangue oculto nas fezes|pesquisa de sangue oculto nas fezes]], pelo seu caráter não invasivo e de baixo custo, apesar da menor sensibilidade e especificidade, é um bom método para rastreio de populações consideradas de baixo risco. <br>
Em caso de PSOF positiva, dever-se-á proceder à realização de colonoscopia total. No utente em que a colonoscopia total é normal e esta foi realizada em condições otimizadas expressas no relatório, só deve ser repetida ao fim de 10 anos.  
+
Em caso de PSOF positiva, dever-se-á proceder à realização de [[Colonoscopia|colonoscopia]] total. No utente em que a colonoscopia total é normal e esta foi realizada em condições otimizadas expressas no relatório, só deve ser repetida ao fim de 10 anos.  
 
<br>
 
<br>
 
<br>
 
<br>
Linha 43: Linha 44:
 
** Ter Diabeles Mellitus tipo 2;  
 
** Ter Diabeles Mellitus tipo 2;  
 
** Familiares de 1º grau (pais, irmãos ou filhos) com cancro ou com adenomas do intestino;  
 
** Familiares de 1º grau (pais, irmãos ou filhos) com cancro ou com adenomas do intestino;  
** Ter um síndrome genético que aumente a probabilidade de cancro.
+
** Ter uma síndrome genética que aumente a probabilidade de cancro.
 
<br><br>
 
<br><br>
 
====Fatores de prevenção====
 
====Fatores de prevenção====
Linha 60: Linha 61:
 
=== Referências Recomendadas ===
 
=== Referências Recomendadas ===
 
----
 
----
* [Portugal_National_Cancer_Control_Plan_2009_Portugese.pdf DGS - Plano Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas 2007/2010]
+
* [https://dre.pt/application/conteudo/108189401 Rastreios oncológicos em Portugal (Despacho 8254/2017 do Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde de 18/09/2017)]
  
 
* [http://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-doencas-oncologicas-em-numeros-2014.aspx DGS - Doenças Oncológicas em números - 2014]
 
* [http://www.dgs.pt/estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/portugal-doencas-oncologicas-em-numeros-2014.aspx DGS - Doenças Oncológicas em números - 2014]
Linha 72: Linha 73:
  
  
<div style="float:center" class="small-12 medium-6 columns">
+
{| border="0"
====[http://metis.med.up.pt Voltar à página inicial]====
+
|-
</div>
+
! style="background: #efefef;" | <div style="float:left; font-size:x-large" class="small-12 medium-1 columns">[http://metis.med.up.pt '''Voltar à página inicial''']</div>
 +
! style="background: #efefef;" | <div style="float:right; font-size:x-large" class="small-12 medium-1 columns">[http://metis.med.up.pt/index.php/Mensagens '''Tem alguma dúvida? Fale connosco''']</div>
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:Fb metis.png|30px|link=http://www.facebook.com/sharer/sharer.php?u=http://metis.med.up.pt/index.php/Rastreio_do_cancro_do_cólon_e_reto|alt=Alt text|Partilha no facebook]]
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:Google_plus.png|30px|link=https://plus.google.com/share?url=http://metis.med.up.pt/index.php/Rastreio_do_cancro_do_cólon_e_reto|alt=Alt text|Partilha no google +]]
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:TWT_METIS.png|30px|link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Metis&url=http://metis.med.up.pt/index.php/Rastreio_do_cancro_do_cólon_e_reto|alt=Alt text|Partilha no twitter]]
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:In_metis.png|30px|link=http://www.linkedin.com/cws/share?isFramed=false&url=http://metis.med.up.pt/index.php/Rastreio_do_cancro_do_cólon_e_reto|alt=Alt text|Partilha no LinkedIn]]
 +
! style="background: #efefef;"|[[file:PRINT_METIS.jpg|30px|link=http://metis.med.up.pt/index.php?title=Especial:Exportar_em_PDF&page=Rastreio_do_cancro_do_cólon_e_reto|alt=Alt text|Imprimir como pdf]]
 +
|}
 +
 
 +
 
 +
 
 +
<br>
 +
<div style="text-align: center; margin: auto; font-size: 90%; margin-top: -18px; margin-bottom: -20px;">
 +
[[Utilizador:Rute_Carvalho|Rute Carvalho]]
 +
</div>  
 +
<br>
 +
 
 +
 
  
 
[[Categoria:Cancro do cólon e reto]]
 
[[Categoria:Cancro do cólon e reto]]
 
[[Categoria:Rastreio]]
 
[[Categoria:Rastreio]]
 
[[Categoria:Prevenção secundária]]
 
[[Categoria:Prevenção secundária]]

Edição atual desde as 13h09min de 10 de janeiro de 2019

Autor: Rute Carvalho

Última atualização: 2017/10/20

Palavras-chave: Cancro do cólon e reto, rastreio oportunístico, pesquisa de sangue oculto nas fezes, colonoscopia



Resumo


Atualmente, em Portugal, recomenda-se o rastreio oportunístico do cancro colon e reto a utentes assintomáticos, com idades compreendidas entre os 50 e os 74 anos, através da pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF).
Se for detetada alguma alteração, independentemente da idade e de ter ou não realizado um exame recentemente, o médico assistente saberá como proceder para um correto diagnóstico da situação.




O que é o Cancro do cólon e reto?


Em Portugal, o cancro constitui a segunda principal causa de morte, depois das doenças cardiovasculares, sendo o Cancro do Cólon e Reto o segundo mais frequente. A nível mundial estabelece-se como a 3.ª neoplasia mais comum, com cerca de 1,4 milhões de novos casos diagnosticados em 2012.
A incidência desta patologia aumenta progressivamente com a idade, sendo que 91% dos casos ocorrem depois dos 50 anos.

Rastreio


O Plano Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas (PNPCDO) preconiza o rastreio do Cancro do Cólon e Reto nos indivíduos assintomáticos, ou seja, sem qualquer sintoma gastrointestinal, com idades entre os 50 e os 74 anos. O exame recomendado é a pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF), realizada de 2 em 2 anos. Embora a colonoscopia seja o exame padrão para o diagnóstico, a pesquisa de sangue oculto nas fezes, pelo seu caráter não invasivo e de baixo custo, apesar da menor sensibilidade e especificidade, é um bom método para rastreio de populações consideradas de baixo risco.
Em caso de PSOF positiva, dever-se-á proceder à realização de colonoscopia total. No utente em que a colonoscopia total é normal e esta foi realizada em condições otimizadas expressas no relatório, só deve ser repetida ao fim de 10 anos.

Fatores de Risco


Um fator de risco é um determinante que afeta a hipótese de contrair uma doença, neste caso específico, de desenvolver cancro do cólon e reto. Alguns fatores de risco podem ser alterados e são denominados “Fatores de Risco Modificáveis”, outros não e intitulam-se “Fatores de Risco Não Modificáveis”.

  • Fatores de risco modificáveis:
    • Excesso de peso ou obesidade;
    • Sedentarismo;
    • Certas opções alimentares:
      • Dietas ricas em carnes vermelhas (carne bovina, porco, cordeiro ou fígado) e carnes processadas (ex.: fumeiros, enchidos, etc);
      • Cozinhar carnes a temperaturas muito altas cria produtos químicos que podem aumentar o risco de cancro, no entanto não esta relação não está ainda bem estabelecida.
    • Hábitos tabágicos e alcoólicos pesados.
  • Fatores de Risco Não Modificáveis:
    • Idade (> 50 anos);
    • Etnia (Nos Estados Unidos da América, os indivíduos afroamericanos têm maior risco de ter doença ou de morrer por cancro do intestino);
    • Já ter tido adenomas ou cancro do intestino;
    • Sofrer de doença inflamatória intestinal;
    • Ter Diabeles Mellitus tipo 2;
    • Familiares de 1º grau (pais, irmãos ou filhos) com cancro ou com adenomas do intestino;
    • Ter uma síndrome genética que aumente a probabilidade de cancro.



Fatores de prevenção


  • Manter um peso saudável;
  • Praticar exercício físico regularmente;
  • Preferir uma alimentação rica em vegetais, frutas e grãos integrais;
  • Evitar fumar e moderar a ingestão de bebidas alcoólicas.



Conclusão


O cancro do cólon e reto é uma doença potencialmente curável se diagnosticada precocemente. Se tem entre 50 e 74 anos e não tem sintomas, faça o rastreio preconizado.
Se detetar alguma alteração, seja em que idade for, consulte o seu médico.
E não se esqueça, mais vale prevenir, do que remediar!

Referências Recomendadas



Alt text Alt text Alt text Alt text Alt text




Banner.jpg