Plagiocefalia posicional

Revisão das 11h07min de 12 de setembro de 2019 por Paulo Santos (Discussão | contribs)

(dif) ← Revisão anterior | Revisão atual (dif) | Revisão seguinte → (dif)

Autor: Magda Durães

Última atualização: 2019/09/12

Palavras-chave: plagiocefalia posicional, tratamento, prevenção



Resumo


A plagiocefalia posicional refere-se à assimetria da cabeça do bebé decorrente de alterações posturais quer no período intrauterino quer no período neonatal. O seu diagnóstico precoce e tratamento adequado são fundamentais para a resolução do caso.
Numa atitude preventiva, logo após o parto, é possível adotar medidas para acautelar o desenvolvimento de plagiocefalia – permitir que o bebé brinque de barriga para baixo, por pequenos períodos de tempo, sob vigilância e alternar o lado de posição da cabeça durante o sono.




Plagiocefalia posicional


Plagiocéphalie.jpg

A plagiocefalia posicional ou postural, também chamada plagiocefalia deformacional ou plagiocefalia não-sinostótica refere-se ao formato assimétrico da cabeça – do grego plagio (oblíqua) + kephale (cabeça) – decorrente de alterações posturais.
A sua prevalência varia com a idade (16-22,1% às 6-7 semanas de vida; 19,7-46,6% entre as 7 semanas e os 4 meses e 3,3% aos 2 anos).
Nas últimas décadas, tem-se verificado um aumento do número de casos. Alguns autores atribuem este facto ao lançamento da campanha «Back to Sleep» pela Academia Americana de Pediatria, em 1992, que passou a recomendar que os bebés sejam deitados de barriga para cima (“decúbito dorsal”), de forma a prevenir a Síndrome da Morte Súbita do Lactente. Esta posição aumenta a pressão exercida sobre a zona occipital do crânio quando os bebés estão deitados de barriga para cima e, consequentemente, pode levar ao aparecimento de deformidades. Outros autores advogam que o aumento do número de casos se deve a uma maior consciencialização para esta situação e, consequentemente, a um maior número de diagnósticos.

Quais são os fatores de risco?


A maioria dos casos manifesta-se no sexo masculino, geralmente 4 a 8 semanas após o nascimento. Outros fatores de risco são:

  • Fatores relacionados com a gravidez/período neonatal: prematuridade, gravidez múltipla, primeira gravidez, anomalias uterinas, excesso ou défice de líquido amniótico, apresentação pélvica, bebé grande e/ou com cabeça grande, parto instrumentado, trabalho de parto longo;
  • Torcicolo congénito (desde o nascimento).



Quando suspeitar e como proceder?


Todo o bebé que apresente uma deformidade craniana deve ser observado por um médico logo que seja detetada a deformidade, com o objetivo de descartar precocemente outras doenças mais graves.
A rapidez de procura de observação médica deve ser maior quando o bebé apresenta a deformidade craniana logo desde o nascimento, quando não há uma posição preferencial evidente e estão presentes outros sinais como saliências ósseas ao longo das suturas cranianas ou saliência da mastóide. Nesse caso, pode tratar-se de uma plagiocefalia causada não pelas atitudes posturais, mas pela fusão prematura das suturas cranianas (plagiocefalia sinostótica) e cujo tratamento passa por uma intervenção cirúrgica.

Como se trata?


Uma vez estabelecido o diagnóstico de plagiocefalia posicional, e dependendo da gravidade da situação e da idade do bebé, o tratamento pode passar por alterações posturais ou uso de capacete (ortótese). A indicação de cirurgia na plagiocefalia posicional é muito rara, limitando-se aos casos extremos onde todas as outras medidas falharam.

Plagiocephaly helmet.jpg
Alterações posturais


As alterações posturais e a correção precoce de um torcicolo congénito são a chave do sucesso. No caso de torcicolo congénito, os pais são convidados a colaborar no tratamento, em complemento da fisioterapia.

Capacete


O uso de capacete está indicado apenas nos casos graves. Atua através de uma contraposição de forças, direcionando o crescimento do crânio do bebé: realiza um apoio nas áreas proeminentes, contendo o seu crescimento, deixando as áreas achatadas livres para crescerem.

Como se previne?


Logo após o nascimento, é possível adotar medidas para prevenir a plagiocefalia posicional. Uma vez que a atitude postural é a causa mais frequente de plagiocefalia, é aí que devemos atuar. O bebé deve “dormir de barriga para cima” mas também “brincar de barriga para baixo”, por pequenos períodos de tempo, e sempre sob vigilância.
Também é recomendável que, durante o sono, o bebé alterne o lado de posição da cabeça ou até mesmo lateralizar um pouco, evitando assim forças de pressão sempre sobre o mesmo lado. Se o bebé tem tendência a olhar sempre para um dos lados quando está deitado, tanto porque a mãe dorme desse lado como por gostar de olhar para a janela ou algum detalhe em particular, é aconselhável que combine a posição do bebé como se mostra na imagem, para alternar a orientação da cabeça.

Conclusão


A plagiocefalia é um motivo de procura de observação médica quer pela evidente questão estética quer pela preocupação com possíveis problemas de saúde associados.
É uma condição benigna em que a deteção precoce e o controlo dos fatores que a condicionam (como é o caso do torcicolo congénito) são fundamentais.
Os pais devem ter um papel ativo no seu tratamento, aderindo às recomendações que os profissionais de saúde forem dando.

Referências recomendadas



Alt text Alt text Alt text Alt text Alt text



Banner.jpg