Diferenças entre edições de "O cigarro eletrónico e os seus riscos para a saúde"

(Criou página com: '{{Artigos |Autor=Ana Luísa Ribeiro, Marta Pires Ribeiro, Carlos Santos |Última atualização=2020/02/24 |Palavras-chave=Cigarro eletrónico, produtos de tabaco aquecido, fu...')
 
 
Linha 27: Linha 27:
 
====Como funciona?====
 
====Como funciona?====
 
----
 
----
 +
[[Ficheiro:Tabaco_aquecido.JPG|300px|right]]
 
Nos '''sistemas eletrónicos de entrega''', a pessoa inala, gerando um fluxo de ar detetado por um sensor, que por sua vez está ligado a uma pilha de lítio, ativando um microprocessador que aquece o conteúdo do cartucho contendo líquido e o transforma no vapor que entra nos pulmões.<br>
 
Nos '''sistemas eletrónicos de entrega''', a pessoa inala, gerando um fluxo de ar detetado por um sensor, que por sua vez está ligado a uma pilha de lítio, ativando um microprocessador que aquece o conteúdo do cartucho contendo líquido e o transforma no vapor que entra nos pulmões.<br>
 
No '''tabaco aquecido''', em vez do líquido há um mini cigarro, cujas folhas de tabaco são igualmente impregnadas numa solução com químicos, aromatizantes e corantes, durante o fabrico. <br>
 
No '''tabaco aquecido''', em vez do líquido há um mini cigarro, cujas folhas de tabaco são igualmente impregnadas numa solução com químicos, aromatizantes e corantes, durante o fabrico. <br>

Edição atual desde as 01h14min de 25 de fevereiro de 2020

Autor: Ana Luísa Ribeiro, Marta Pires Ribeiro, Carlos Santos

Última atualização: 2020/02/24

Palavras-chave: Cigarro eletrónico, produtos de tabaco aquecido, fumar, vapear, prevenção primária



Resumo


O cigarro eletrónico é uma invenção chinesa comercializada desde 2004, que em vez de queimar tabaco, aquece os ingredientes, gerando vapor. Face ao crescente consumo e apelativa publicidade, é fundamental estar corretamente informado antes de utilizar.
O impacto a longo prazo na saúde dos consumidores não é ainda conhecido. Até ao momento foram reportadas intoxicações e doenças respiratórias, suficientemente graves para causar a morte e problemas de desenvolvimento cerebral, sobretudo em jovens. O uso destes dispositivos é altamente desaconselhado pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia, pela Organização Mundial de Saúde e, mais recentemente, também pela Direção Geral de Saúde e Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências.
O cigarro eletrónico não é vapor de água, nem uma alternativa ao tabaco. Não fume e se quer deixar de fumar consulte um profissional de saúde.




O cigarro eletrónico


E-cigarette-collection-3159700 1920.jpg

O cigarro eletrónico foi inventado pelo farmacêutico Hon Lik, com o objetivo de criar uma alternativa segura ao cigarro convencional o que, até à data não se verificou. Em vez de queimar o tabaco, o dispositivo aquece a nicotina e outros ingredientes contidos num cartucho/cigarro, formando um vapor de partículas tão pequenas que são capazes de penetrar mais profundamente nas vias respiratórias e atingir áreas não habitualmente acessíveis ao fumo do cigarro convencional. A sua eficácia e segurança estão ainda em estudo.
Atualmente existem 3 categorias de produtos:

  • Sistemas eletrónicos de entrega de nicotina (aerossol líquido sem tabaco)
  • Sistemas eletrónicos de entrega não nicotínicos (aerossol líquido sem nicotina)
  • Produtos de tabaco aquecido (folhas de tabaco, sem líquido)



Como funciona?


Tabaco aquecido.JPG

Nos sistemas eletrónicos de entrega, a pessoa inala, gerando um fluxo de ar detetado por um sensor, que por sua vez está ligado a uma pilha de lítio, ativando um microprocessador que aquece o conteúdo do cartucho contendo líquido e o transforma no vapor que entra nos pulmões.
No tabaco aquecido, em vez do líquido há um mini cigarro, cujas folhas de tabaco são igualmente impregnadas numa solução com químicos, aromatizantes e corantes, durante o fabrico.
Ambos os sistemas contêm na sua composição e no aerossol gerado, produtos tóxicos além de nicotina, alguns dos quais detetados por estudos independentes de vigilância pós comercialização e não previamente listados pelos fabricantes, sobretudo em dispositivos adquiridos fora do mercado regulado. Portanto, o fumo não é apenas vapor de água.

Constituintes do vapor e dos cartuchos


Não se conhece a totalidade dos constituintes do cigarro eletrónico devido às lacunas existentes na legislação que regulamenta a sua produção.
Sabe-se que apesar de não incluir monóxido de carbono ou alcatrão, e possuir menor quantidade de outras substâncias que o cigarro convencional, como a nicotina, o cigarro eletrónico contém propilenoglicol (anticongelante), glicerina vegetal, metais pesados (níquel e chumbo) e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (responsáveis pelo cheiro e sabor). Estas substâncias têm efeitos tóxicos, cancerígenos e provavelmente outros riscos para a saúde ainda não conhecidos.

Riscos para a saúde do cigarro eletrónico


No-smoking-1639349 1920.jpg

Os danos causados pelo cigarro eletrónico a longo prazo, vão sendo descobertos à medida que o tempo passa e aumenta o número de consumidores.
Até à data foram reportados os seguintes problemas:

  • Irritação das vias respiratórias, lesão pulmonar e pneumonia atípica
  • Risco de trombose (acidente vascular cerebral e enfarte)
  • Queimaduras, intoxicação e explosão
  • Convulsões e lesão cerebral
  • Morte

Em modelos animais verificou-se estar também associado ao cancro do pulmão, carecendo ainda de comprovação em humanos.
Os riscos são maiores quando são adicionadas substâncias aos cartuchos, como canábis, e quando os dispositivos são indevidamente utilizados e limpos.

Crianças, jovens e não fumadores em risco


Empresas tradicionalmente associadas à produção do tabaco são os principais investidores no desenvolvimento e comercialização do cigarro eletrónico, o que pode ser uma tentativa de tornar novamente aceitável o ato de fumar e de subsistência da indústria do tabaco a longo prazo, ao apelar a novos consumidores, incluindo jovens.
Apesar de existirem restrições de idade à sua comercialização, o cigarro eletrónico é vendido na internet e a publicidade é altamente apelativa a menores, com várias cores, luzes e sabores (chocolate, caramelo, etc.). O aspeto dos dispositivos é muito elegante e tecnológico, e a presença de figuras públicas a publicitar o produto, tornam popular o seu consumo (ex. Johnny Depp no filme “O Turista”).

Conclusão


Todas as formas de fumar têm riscos graves para a saúde, incluindo o cigarro eletrónico. Não fume e se pretende deixar de fumar, consulte um profissional de saúde.

Referências Recomendadas




Alt text Alt text Alt text Alt text Alt text



Banner.jpg