Diferenças entre edições de "Gastrite crónica autoimune"

 
Linha 3: Linha 3:
 
|Última atualização=2017/08/31
 
|Última atualização=2017/08/31
 
|Palavras-chave=Gastrite crónica autoimune, Dispepsia, Anemia perniciosa, Vitamina B12
 
|Palavras-chave=Gastrite crónica autoimune, Dispepsia, Anemia perniciosa, Vitamina B12
 +
|Sigla da Doença=D87
 
}}
 
}}
 
<br><br>
 
<br><br>
Linha 66: Linha 67:
  
 
<br><br>
 
<br><br>
 +
  
  
Linha 71: Linha 73:
 
|-
 
|-
 
! style="background: #efefef;" | <div style="float:left; font-size:x-large" class="small-12 medium-1 columns">[http://metis.med.up.pt '''Voltar à página inicial''']</div>
 
! style="background: #efefef;" | <div style="float:left; font-size:x-large" class="small-12 medium-1 columns">[http://metis.med.up.pt '''Voltar à página inicial''']</div>
! style="background: #efefef;" | <div style="float:right; font-size:x-large" class="small-9 medium-1 columns">[http://metis.med.up.pt/index.php/Mensagens '''Tem alguma dúvida? Fale connosco''']</div>
+
! style="background: #efefef;" | <div style="float:right; font-size:x-large" class="small-12 medium-1 columns">[http://metis.med.up.pt/index.php/Mensagens '''Tem alguma dúvida? Fale connosco''']</div>
 
! style="background: #efefef;" |[[file:Fb metis.png|30px|link=http://www.facebook.com/sharer/sharer.php?u=http://metis.med.up.pt/index.php/Gastrite_crónica_autoimune|alt=Alt text|Partilha no facebook]]
 
! style="background: #efefef;" |[[file:Fb metis.png|30px|link=http://www.facebook.com/sharer/sharer.php?u=http://metis.med.up.pt/index.php/Gastrite_crónica_autoimune|alt=Alt text|Partilha no facebook]]
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:Google_plus.png|30px|link=https://plus.google.com/share?url=http://metis.med.up.pt/index.php/Gastrite_crónica_autoimune|alt=Alt text|Partilha no google +]]
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:TWT_METIS.png|30px|link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Metis&url=http://metis.med.up.pt/index.php/Gastrite_crónica_autoimune|alt=Alt text|Partilha no twitter]]
 +
! style="background: #efefef;" |[[file:In_metis.png|30px|link=http://www.linkedin.com/cws/share?isFramed=false&url=http://metis.med.up.pt/index.php/Gastrite_crónica_autoimune|alt=Alt text|Partilha no LinkedIn]]
 +
! style="background: #efefef;"|[[file:PRINT_METIS.jpg|30px|link=http://metis.med.up.pt/index.php?title=Especial:Exportar_em_PDF&page=Gastrite_crónica_autoimune|alt=Alt text|Imprimir como pdf]]
 
|}
 
|}
  

Edição atual desde as 13h10min de 10 de janeiro de 2019

Autor: Ana Lídia Dias, Lília Castelo Branco

Última atualização: 2017/08/31

Palavras-chave: Gastrite crónica autoimune, Dispepsia, Anemia perniciosa, Vitamina B12



Resumo


Com a redução da incidência de infeção por Helicobacter pylori, a gastrite autoimune cresce em proporção etiológica das gastrites crónicas nos países desenvolvidos, representando a segunda principal causa de gastrite crónica. É uma patologia frequentemente assintomática, mas que se pode associar a sintomas de anemia como fadiga e cansaço e a neuropatia periférica por défice de vitamina B12. Estas manifestações são reversíveis com a suplementação adequada.
Não existe ainda consenso oficial nos critérios diagnósticos e definição atrasando por isso o diagnóstico definitivo. Uma vez que se associa a um aumento do risco neoplásico e se pode manifestar com clínica que afeta significativamente a capacidade funcional do doente e que é potencialmente reversível, o diagnóstico precoce e vigilância adequada são particularmente relevantes.




Gastrite crónica Autoimune


A gastrite crónica autoimune é a segunda principal causa de gastrite crónica.
Estima-se que afete cerca de 2-5% da população, mas, dada a sua natureza assintomática, é possível que a sua prevalência esteja subestimada. Pode ocorrer em qualquer idade, com uma idade média de diagnóstico aos 60 anos. Era uma causa rara de gastrite mas tem assumido maior importância com a redução da incidência da infeção por Helicobacter pylori, a principal causa, associada a melhoria dos hábitos de higiene.

Estomago.jpg

É um subtipo de gastrite que envolve um mecanismo autoimune, em que anticorpos dirigidos contra o próprio provocam a destruição das glândulas gástricas do fundo e corpo, onde se localizam as células produtoras de ácido e fator intrínseco (molécula essencial para a absorção adequada de vitamina B12), poupando a região do antro do estômago. Geralmente progride para atrofia das glândulas do corpo gástrico (80-90%), que são substituídas por glândulas metaplásicas em 50% dos doentes.
0 processo de metaplasia corresponde à transformação reversível de um tecido num outro mais resistente, em resposta a agressões ou modificações no ambiente orgânico habitual onde se insere. No caso da metaplasia associada a gastrite crónica autoimune há transformação de glândulas produtoras de ácido e fator intrínseco em glândulas do tipo intestinal, que não têm capacidade de secreção, pelo que inativas.

A gastrite autoimune associa-se frequentemente a outras doenças autoimunes como doença da glândula tiróide ou diabetes mellitus tipo 1, com um risco 5 a 10 vezes superior ao do resto da população.
A redução na produção de ácido gástrico dificulta a proteção contra micro-organismos e reduz a absorção de ferro, condicionando anemia ferropénica (microcítica) em 15% dos doentes. A redução do fator intrínseco impede a absorção da vitamina B12 provocando um outro tipo de anemia, a anemia perniciosa (macrocítica), muitas vezes associada a neuropatia periférica, ambas reversíveis com a suplementação da vitamina em falta.
Entretanto surgiu evidência de que o Helicobacter pylori também pode exercer um papel na gastrite autoimune despoletando autoimunidade em doentes suscetíveis. A infeção aguda por esta bactéria pode inclusive, levar a uma doença autoimune mais agressiva.

Outras causas de gastrite


Outras causas menos frequentes são a gastrite linfocítica na doença celíaca, o atingimento gástrico na doença de Chron e a gastrite eosinofílica.

Diagnóstico


Na maioria das vezes, a gastrite crónica autoimune é assintomática. Podem, contudo, surgir sintomas inespecíficos como dispepsia (dor ou desconforto na região do estômago, saciedade precoce, enfartamento após as refeições e azia), náuseas, e ocasionalmente vómitos.
Outros sintomas dependem de alterações da absorção de certos nutrientes:

  • Anemia por deficiência de ferro, com cansaço, fadiga e palidez;
  • Défice de magnésio com astenia e fraqueza muscular
  • Défice de vitamina B12, manifestando-se por sintomas neurológicos como parestesias (perda de sensibilidade nas extremidades, formigueiros, sensação de diminuição da força), fraqueza muscular, alterações do humor, perturbação da memória e glossite (língua inflamada).


O diagnóstico específico de gastrite crónica autoimune não é consensual, mas envolve frequentemente a necessidade de realização de exames auxiliares de diagnóstico:

  • Endoscopia digestiva alta com biópsia: pode evidenciar gastrite com atrofia do corpo e fundo, com destruição predominante das glândulas gástricas do fundo e corpo, onde se localizam as células produtoras de ácido e fator intrínseco.
  • Deteção de autoanticorpos comuns na gastrite autoimune:
    • Anticorpos anti-células parietais
      • dirigidos contra a bomba K/H, responsável pela produção de ácido gástrico
      • individualmente são inespecíficos, podendo estar presentes mesmo na ausência de gastrite crónica autoimune
    • Anticorpos anti-factor intrínseco



Prognóstico


Alguns doentes com gastrite crónica autoimune desenvolverão anemia perniciosa (uma forma incomum de anemia). Com a atrofia das glândulas gástricas produtoras de ácido, ocorre hiperplasia e hipertrofia de células neuroendócrinas como compensação. Esta hiperplasia é considerada um fator de risco para o desenvolvimento de tumor gástrico neuroendócrino, que ocorre em cerca de 1-7% dos doentes com anemia perniciosa.
A Gastrite Crónica Autoimune tem um risco 3 vezes superior ao da população geral de desenvolver cancro do estômago, o que implica uma vigilância regular. No entanto apenas cerca de 2% dos doentes virão efetivamente a desenvolver um cancro gástrico.

Tratamento


O tratamento compreende a gestão dos sintomas de dispepsia, quando presentes, através da utilização de antiácidos e a suplementação dos défices nutricionais, nomeadamente de ferro e vitamina B12.

Conclusão


A gastrite crónica autoimune é geralmente assintomática.
Contudo se sintomática, pode ser realizado um diagnóstico precoce através de endoscopia com biópsia o que permite prevenir complicações, como défice de vitamina B12, e vigiar o aparecimento de outras doenças mais graves, como cancro gástrico.

Referências Recomendadas





Alt text Alt text Alt text Alt text Alt text



Banner.jpg