Diferenças entre edições de "Esquizofrenia"

(Criou página com: '{{Artigos |Autor=Ana Campos de Sousa, Duarte Figueiredo Pinto |Última atualização=2018/11/22 |Palavras-chave=Esquizofrenia; Saúde mental; Antipsicóticos; Psicoterapia; S...')
 
 
Linha 47: Linha 47:
 
A '''baixa qualidade de vida''' das pessoas com esquizofrenia depende de vários fatores que muitas vezes se conjugam no mesmo doente: ausência de amigos confiáveis, falta de contacto diário com a família, desemprego, pouca atividade de lazer, ansiedade, depressão, sintomas psicóticos, maior número de internamentos psiquiátricos e abuso de álcool ou drogas, mas o fator mais importante de incapacidade social é o comprometimento cognitivo crónico.<br>
 
A '''baixa qualidade de vida''' das pessoas com esquizofrenia depende de vários fatores que muitas vezes se conjugam no mesmo doente: ausência de amigos confiáveis, falta de contacto diário com a família, desemprego, pouca atividade de lazer, ansiedade, depressão, sintomas psicóticos, maior número de internamentos psiquiátricos e abuso de álcool ou drogas, mas o fator mais importante de incapacidade social é o comprometimento cognitivo crónico.<br>
 
Os inquéritos em doentes apontam que as necessidades mais frequentemente indicadas como não satisfeitas são o estabelecimento de relações de trabalho e relações íntimas, integração em atividades diurnas, o suporte no sofrimento psicológico e nos sintomas psicóticos e no acesso a informação. Por sua vez, os familiares preocupam-se mais com a saúde do doente, o seu futuro, segurança e capacidade económica. <br>
 
Os inquéritos em doentes apontam que as necessidades mais frequentemente indicadas como não satisfeitas são o estabelecimento de relações de trabalho e relações íntimas, integração em atividades diurnas, o suporte no sofrimento psicológico e nos sintomas psicóticos e no acesso a informação. Por sua vez, os familiares preocupam-se mais com a saúde do doente, o seu futuro, segurança e capacidade económica. <br>
Por isso, o '''suporte profissional e social''' constituem ferramentas essenciais para o apoio ao doente e à sua família. Uma rede social contribui para a falta de autonomia e para o [[O Estigma na Doença Mental|estigma]], podendo resultar em depressão e na diminuição da qualidade de vida. Por outro lado, a '''melhoria do suporte social''' reduz o '''[[O Estigma na Doença Mental|estigma]]''' e melhora o desenvolvimento pessoal, reduzindo a depressão e '''melhorando a qualidade de vida'''. <br>
+
Por isso, o '''suporte profissional e social''' constituem ferramentas essenciais para o apoio ao doente e à sua família. Uma rede social pobre contribui para a falta de autonomia e para o [[O Estigma na Doença Mental|estigma]], podendo resultar em depressão e na diminuição da qualidade de vida. Por outro lado, a '''melhoria do suporte social''' reduz o '''[[O Estigma na Doença Mental|estigma]]''' e melhora o desenvolvimento pessoal, reduzindo a depressão e '''melhorando a qualidade de vida'''. <br>
Deste modo, a promoção e divulgação de informação sobre esta patologia na sociedade, capacitando-as pessoas a lidar com os portadores desta doença tem impacto positivo nos doentes e nas famílias destes.
+
Deste modo, a promoção e divulgação de informação sobre esta patologia na sociedade têm impacto positivo nos doentes e nas suas famílias, capacitando-as para lidar com os portadores desta doença.
 
<br><br>
 
<br><br>
 
====Prognóstico e risco de suicídio====
 
====Prognóstico e risco de suicídio====

Edição atual desde as 00h18min de 27 de novembro de 2018

Autor: Ana Campos de Sousa, Duarte Figueiredo Pinto

Última atualização: 2018/11/22

Palavras-chave: Esquizofrenia; Saúde mental; Antipsicóticos; Psicoterapia; Suicídio



Resumo


A esquizofrenia é uma doença mental complexa e grave, estando entre as 10 principais causas de incapacidade a nível mundial, com uma prevalência entre 0,6 – 1,9%.
Pode apresentar múltiplas manifestações, afetando o pensamento, a perceção, a emoção, o movimento ou o comportamento.




O que é a esquizofrenia?


Brain aid.jpg

A esquizofrenia é uma doença psiquiátrica grave e crónica que afeta a forma de pensar da pessoa, bem como a sua vida emocional e comportamentos.
A etimologia da palavra significa fragmentação da mente (frenia = mente; esquizo = fragmentada/dividida).
Atinge 0,6 – 1,9% da população, mais nos homens do que nas mulheres. Frequentemente os primeiros sintomas aparecem entre os 15 e os 24 anos de idade, embora as mulheres possam apresentar um início de doença mais tardio, entre os 55 e os 64 anos.

O que provoca a esquizofrenia


A causa da esquizofrenia não está esclarecida.
Pensa-se que a sua origem pode resultar da interação entre a genética e fatores ambientais ou consumo de drogas, como os alucinogénios ou anfetaminas, com alterações primárias do desenvolvimento do cérebro; ou pode ter origem em alterações secundárias através de um processo degenerativo contínuo.

Como se faz o diagnóstico?


Os sintomas são variados e podem ser divididos em 2 categorias:

  • Sintomas positivos: alucinações (ouvir vozes que comentam o seu comportamento ou dão ordens, sentir odores e sabores diferentes ou outras sensações táteis); delírios (ideias e pensamentos que apresentam conteúdos que para os doentes são verdade, como acreditar que alguém conspira contra ele, que tem poderes especiais ou é perseguido); défices cognitivos (dificuldade de concentração, alterações da memória e do pensamento - os pensamentos aparecem e desaparecem fazendo com que o doente não se concentre em apenas um pensamento porque se distrai facilmente); alterações no comportamento;
  • Sintomas negativos: diminuição do afeto; anedonia (perda de vontade); embotamento emocional; apatia; isolamento social; alterações na fala.



Tratamento


Estar informado sobre a doença e sobre os tratamentos e outros apoios disponíveis, assim como estar consciente do que se pode esperar de uma pessoa com esquizofrenia é fundamental para o sucesso do tratamento.
O tratamento é essencialmente farmacológico, com medicamentos antipsicóticos que atuam em neurotransmissores cerebrais e permitem controlar os sintomas. A adesão ao tratamento é fundamental para a prevenção de recaídas, muitas vezes associadas à paragem total ou parcial da medicação.
Outros tratamentos como a psicoterapia são importantes para aconselhamento individual e de grupo, servindo de apoio e permitindo desenvolver competências que ajudam os doentes e os cuidadores.
As intervenções não farmacológicas são importantes para diminuir o impacto da doença e aumentar a qualidade de vida do doente e cuidadores:

  • Manter uma atividade social regular, incluindo os tempos de lazer;
  • Ter uma ocupação laboral e uma relação profissional estável;
  • Manter as suas atividades de vida diárias (ainda que possa necessitar de ajuda)



Impacto social da esquizofrenia


A baixa qualidade de vida das pessoas com esquizofrenia depende de vários fatores que muitas vezes se conjugam no mesmo doente: ausência de amigos confiáveis, falta de contacto diário com a família, desemprego, pouca atividade de lazer, ansiedade, depressão, sintomas psicóticos, maior número de internamentos psiquiátricos e abuso de álcool ou drogas, mas o fator mais importante de incapacidade social é o comprometimento cognitivo crónico.
Os inquéritos em doentes apontam que as necessidades mais frequentemente indicadas como não satisfeitas são o estabelecimento de relações de trabalho e relações íntimas, integração em atividades diurnas, o suporte no sofrimento psicológico e nos sintomas psicóticos e no acesso a informação. Por sua vez, os familiares preocupam-se mais com a saúde do doente, o seu futuro, segurança e capacidade económica.
Por isso, o suporte profissional e social constituem ferramentas essenciais para o apoio ao doente e à sua família. Uma rede social pobre contribui para a falta de autonomia e para o estigma, podendo resultar em depressão e na diminuição da qualidade de vida. Por outro lado, a melhoria do suporte social reduz o estigma e melhora o desenvolvimento pessoal, reduzindo a depressão e melhorando a qualidade de vida.
Deste modo, a promoção e divulgação de informação sobre esta patologia na sociedade têm impacto positivo nos doentes e nas suas famílias, capacitando-as para lidar com os portadores desta doença.

Prognóstico e risco de suicídio


O prognóstico desta doença não é bom, sobretudo nas pessoas com diminuição significativa da qualidade de vida, e possibilidade de múltiplas hospitalizações, recaídas, exacerbações e eventualmente tentativas de suicídio.
Há vários fatores que aumentam o risco de suicídio:

  • Sexo masculino
  • Isolamento social
  • Abuso de substâncias
  • Depressão pós-psicótica
  • Hospitalização
  • Fraco suporte externo.



Conclusão


A esquizofrenia não tem cura definitiva, mas a adesão à terapêutica é fundamental para diminuir o impacto da doença e melhorar o prognóstico.
Uma atitude social inclusiva melhora a qualidade de vida das pessoas com esquizofrenia, reduz o estigma e melhora a sua perspetiva de vida.

Referências recomendadas



Alt text Alt text Alt text Alt text Alt text



Banner.jpg