Epilepsia na Gravidez

Autor: Joana Costa e Silva, João Almeida Moura

Última atualização: 2018/11/26

Palavras-chave: Epilepsia, Contraceção, Gravidez, Malformações fetais



Resumo


A epilepsia não contraindica a gravidez, contudo está associada a um maior risco de complicações antes e depois do parto, tanto para a mãe como para o bebé. A medicação antiepilética é muito importante para o controlo da epilepsia, mas pode aumentar o risco de malformações fetais, especialmente com medicamentos contendo ácido valpróico, medicamentos em doses altas ou em associação, obrigando a ponderar os riscos associados à medicação e os riscos associados às crises convulsivas durante a gravidez.
A vigilância das mulheres com epilepsia é fundamental desde o período que antecede a gravidez (período pré-concecional) até depois do parto, no sentido de minimizar as principais complicações.




Epilepsia na gravidez


Boy or Girl.jpg

A epilepsia é a doença do sistema nervoso mais comum na gravidez. A epilepsia não contraindica a gravidez. Contudo, para reduzir os riscos para a mãe e para o bebé, é importante consultar o seu médico assistente antes de engravidar, de forma a ponderar todos os riscos, ajustar a medicação e iniciar uma suplementação adequada.
A história natural da epilepsia é alterada pela gravidez devido às alterações hormonais (os estrogénios aumentam o risco de crises, enquanto que a progesterona diminui), à diminuição da eficácia da medicação antiepilética (devido à menor absorção quando há náuseas e vómitos e devido ao aumento do volume corporal) e à privação do sono que aumenta o risco de crises.
Comparativamente à população geral, as grávidas com epilepsia apresentam um maior risco de hemorragias, descolamento da placenta, atraso do crescimento intra-uterino, pré-eclâmpsia, parto pré-termo, e morte fetal e/ou materna. Este risco está relacionado com a própria epilepsia e a ocorrência de convulsões.
Apesar disto, a maioria das mulheres com epilepsia controlada não sofre um aumento do número de crises durante a gravidez, e em mais de 90% dos casos a gravidez decorre dentro da normalidade.

Medicação antiepilética e gravidez


A medicação antiepilética ideal durante a gravidez ainda não é clara, contudo os medicamentos contendo ácido valpróico devem ser evitados devido aos elevados riscos para o bebé. O uso de múltiplos medicamentos em simultâneo também deve ser evitado, especialmente combinações com ácido valpróico, carbamazepina e fenobarbital.

Riscos gerais da medicação antiepilética no feto:
  • Malformações major (defeitos do tubo neural; defeitos do sistema urinário; alterações cardíacas; alterações esqueléticas e fenda palatina)
  • Malformações minor (hipoplasia das unhas e das falanges distais; hipertelorismo e alterações faciais)



Antiepilético
Riscos mais prováveis de cada medicamento no feto

Ácido Valpróico

Defeitos do tubo neural (espinha bífida e mielomeningocelo); malformações cardiovasculares, genitourinárias; alterações craniofaciais. A longo prazo está associado a atraso no desenvolvimento cognitivo e a perturbações do espectro do autismo.
Durante o 1º trimestre de gestação o risco de malformações é maior
Recomenda-se suplementação com 4 a 5mg de ácido fólico na pré-conceção e 1º trimestre

Fenitoína e Fenobarbital

Fissuras orofaciais; neuroblastomas;
Malformações cardíacas e defeitos genitourinários

Carbamazepina

Espinha bífida e malformações genitourinárias
Recomenda-se suplementação com 4 a 5mg de ácido fólico na pré-conceção e 1º trimestre

Topiramato

Fissuras orais e atraso no crescimento intra-uterino

Levetiracetam

Baixo risco de malformações major

Lamotrigina e Pregabalina

São necessários mais estudos



Recomenda-se que exista um período de tempo sem crises de 6 a 12 meses antes de engravidar, com o medicamento antiepilético que se mostre mais eficaz, idealmente em monoterapia (apenas com 1 medicamento antiepilético) e na menor dose possível.

Vigilância pré-natal (vigilância da gravidez)


Durante toda a gravidez é recomendado manter a suplementação com ácido fólico e será realizada a vigilância adequada das malformações fetais.

Parto


Na maioria das mulheres o parto ocorre por via vaginal e sem complicações. O risco de convulsões durante o parto e nas primeiras 24 horas pós-parto é baixo.

Puerpério (após o parto)


A medicação antiepilética não impede a amamentação, uma vez que os benefícios superam os riscos.
É importante manter a medicação antiepilética, bem como tentar descansar adequadamente e reduzir os fatores de ansiedade.
É importante que a mãe tome precauções para evitar lesionar o bebé no caso de ter uma crise convulsiva, principalmente nos momentos em que o bebé se encontra mais vulnerável:

  • A mãe deve evitar dar banho ao recém-nascido se estiver sozinha
  • Na troca da fralda ou da roupa é aconselhado colocar o recém-nascido numa superfície ampla (por exemplo no chão ou no meio de uma cama larga)



Contraceção nas mulheres com epilepsia


Gravidez heart.jpg

De forma a realizar uma contraceção eficaz, com o mínimo de efeitos adversos possível, é importante conhecer as interações da medicação antiepilética com os métodos contracetivos: a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as mulheres que estejam a tomar os seguintes antiepiléticos: Fenitoína, Fenobarbital, Carbamazepina, Oxcarbazepina, Primidona, Topiramato ou Lamotrigina usem um método contracetivo que não seja a pílula (tanto combinada como progestativo oral), transdérmico (adesivos) ou anel vaginal. Isto porque a eficácia quer dos métodos contracetivos quer dos antiepiléticos vai estar diminuída. Ou seja, os métodos mais eficazes e com menos interações são os preservativos, os dispositivos intrauterinos (DIU) e o implante subcutâneo (vulgarmente conhecido por Implanon®).

Conclusão


A epilepsia aumenta o risco de complicações durante a gravidez, contudo este risco pode ser minimizado com o correto acompanhamento médico.

Referências recomendadas





Alt text Alt text Alt text Alt text Alt text



Banner.jpg